quarta-feira, 15 de outubro de 2014

PREFÁCIO DO SEGUNDO LIVRO DO PR. MISS. IRIAN CARVALHO BY GILMAR TAVARES REIS



É com grande alegria que prefacio o livro, Sermão do Mestre, do Pr. Miss. Irian Carvalho, homem de Deus, pessoa que tenho um profundo respeito e consideração. Como é bom saber que mesmo com todas as minhas dificuldades de escrever, fui surpreendido com esse convite.
Sermão do Mestre é um livro objetivo, de fácil compreensão e que abeira-se de uma das mais belas passagens da bíblia. Mateus, um dos sinóticos, faz em três capítulos, 5, 6 e 7, a mais bela abordagem sobre esse sermão de Jesus e conclui dizendo: E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina; Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas [1].
Notei que o Irian fez uma investida neste livro muito apropriada, focando: os bem aventurados; o como Cristo vê seus discípulos; o cristão, a lei e a justiça; o relacionamento do cristão com os homens; o relacionamento do Cristão com Deus; e o cristão e os bens terrenos.
Primeiramente, os bem aventurados. Aqui, o nosso caro escritor afirma que precisamos mudar de vida, nos esvaziar do nosso “eu”, do egoísmo... Caminho esse que só os bem aventurados conseguirão se aproximar do ideal. Sempre confiantes na graça soberana de Jesus.
Segundo, como Cristo vê seus discípulos. Nesse ponto ficou claro que Cristo pregou de acordo com o que Ele sabia de todas as pessoas que estavam à sua frente. Conhecendo-os como ninguém, o sermão da montanha foi fluindo e indo ao encontro de todas aquelas vidas e por muitas vezes de encontro as práticas pecaminosas. E essas palavras têm o mesmo peso, o mesmo valor ainda hoje.
Terceiro, o cristão, a lei e a justiça. O capítulo três fala de uma das maiores necessidades daquela época e de hoje, a penúria de se equilibrar a lei e a justiça. Para isso o nosso exemplo maior é o de Cristo: Cristo foi o único homem a observar e cumprir plenamente a Lei. Ele não só ensinou, mas valorizou os ensinos morais aplicados no interior e exterior dos homens, dando ênfase ao valor ético da Lei, afirma o Miss Irian.
Quarto, o relacionamento do cristão com os homens. Nessa matéria o nosso autor destaca a valoração da vida. Não podemos viver despretensiosamente, sem cuidados com os sinais de alerta. Não podemos brincar com a morte, não podemos desejar a morte e nem causa a morte de outros, muito menos de indefesos, como é o caso dos fetos.
Quinto, o relacionamento do cristão com Deus. Está implícito nesta obra que a minha comunhão com Deus é medida a partir do meu relacionamento com o meu próximo.   
Sexto, o cristão e os bens terrenos. Nesse particular é muito interessante notar que a nossa tendência é de limitar o ser pobre de espírito, ao ser rico e viver como se não tivesse nenhum bem material, mas o texto diz de forma clara do ser pobre, o pobre mesmo, ou seja, a pessoa que não tem nenhum recurso.
Esse pobre de espírito é o que sabe lidar com sua pobreza sem transigir com o seu caráter. Mesmo passando limitações intensas, se mantem fiel aos princípios que lhe garante a vida eterna, pois é no Reino do Céu que o pobre fiel será rico, farto da glória de Deus.
Quero desejar ao Irian as bênçãos do Senhor e que a approach neste livro possa vir ajudar muitos pelo Caminho. E que ele viva e seja pai de uma grande multidão no Senhor Jesus.

Sempre em Cristo,


Gilmar Tavares Reis
Pastor Auxiliar na Assembleia de Deus
Madureira – Anápolis GO

Outubro de 2014.



[1] Mateus 7.28-29 


Um comentário: