quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

DESENROLEM AS FAIXAS



     Um homem chamado Lázaro estava doente. Ele era do povoado de Betânia, onde Maria e a sua irmã Marta moravam.
     (Esta Maria era a mesma que pôs perfume nos pés do Senhor Jesus e os enxugou com os seus cabelos. Era o irmão dela, Lázaro, que estava doente.)
       As duas irmãs mandaram dizer a Jesus: —Senhor, o seu querido amigo Lázaro está doente!
      Quando Jesus recebeu a notícia, disse: —O resultado final dessa doença não será a morte de Lázaro.                 
      Isso está acontecendo para que Deus revele o seu poder glorioso; e assim, por causa dessa  doença, a natureza divina do Filho de Deus será revelada.
      Jesus amava muito Marta, e a sua irmã, e também Lázaro.
      Porém quando soube que Lázaro estava doente, ainda ficou dois dias onde estava.
      Então disse aos seus discípulos: —Vamos voltar para a Judéia.
     Mas eles disseram: —Mestre, faz tão pouco tempo que o povo de lá queria matá-lo a pedradas, e o senhor quer voltar?
      Jesus respondeu: —Por acaso o dia não tem doze horas? Se alguém anda de dia não tropeça porque vê a luz deste mundo.
      Mas, se anda de noite, tropeça porque nele não existe luz.
     Jesus disse isso e depois continuou: —O nosso amigo Lázaro está dormindo, mas eu vou lá acordá-lo.
     —Senhor, se ele está dormindo, isso quer dizer que vai ficar bom! —disseram eles.
   Mas o que Jesus queria dizer era que Lázaro estava morto. Porém eles pensavam que ele estivesse falando do sono natural.
     Então Jesus disse claramente: —Lázaro morreu, mas eu estou alegre por não ter estado lá com ele, pois assim vocês vão crer. Vamos até a casa dele.
     Então Tomé, chamado “o Gêmeo”, disse aos outros discípulos: —Vamos nós também a fim de morrer com o Mestre!
     Quando Jesus chegou, já fazia quatro dias que Lázaro havia sido sepultado.
     Betânia ficava a menos de três quilômetros de Jerusalém, e muitas pessoas tinham vindo visitar Marta e Maria para as consolarem por causa da morte do irmão.
     Quando Marta soube que Jesus estava chegando, foi encontrar-se com ele. Porém Maria ficou sentada em casa.
     Então Marta disse a Jesus: —Se o senhor estivesse aqui, o meu irmão não teria morrido!
     Mas eu sei que, mesmo assim, Deus lhe dará tudo o que o senhor pedir a ele.
      —O seu irmão vai ressuscitar! —disse Jesus.
      Marta respondeu: —Eu sei que ele vai ressuscitar no último dia!
     Então Jesus afirmou: —Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá. Você acredita nisso?
     —Sim, senhor! —disse ela. —Eu creio que o senhor é o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo.
     Depois de dizer isso, Marta foi, chamou Maria, a sua irmã, e lhe disse em particular: —O Mestre chegou e está chamando você.
     Quando Maria ouviu isso, levantou-se depressa e foi encontrar-se com Jesus.
      Pois ele não tinha chegado ao povoado, mas ainda estava no lugar onde Marta o havia encontrado.
     As pessoas que estavam na casa com Maria, consolando-a, viram que ela se levantou e saiu depressa. Então foram atrás dela, pois pensavam que ela ia ao túmulo para chorar ali.
    Maria chegou ao lugar onde Jesus estava e logo que o viu caiu aos pés dele e disse: —Se o senhor tivesse estado aqui, o meu irmão não teria morrido!
     Jesus viu Maria chorando e viu as pessoas que estavam com ela chorando também. Então ficou muito comovido e aflito e perguntou: —Onde foi que vocês o sepultaram? —Venha ver, senhor! —responderam.
Jesus chorou.
      Então as pessoas disseram: —Vejam como ele amava Lázaro!
     Mas algumas delas disseram: —Ele curou o cego. Será que não poderia ter feito alguma coisa para que Lázaro não morresse?
     Jesus ficou outra vez muito comovido. Ele foi até o túmulo, que era uma gruta com uma pedra colocada na entrada, e ordenou: —Tirem a pedra! Marta, a irmã do morto, disse: —Senhor, ele está cheirando mal, pois já faz quatro dias que foi sepultado!
    Jesus respondeu: —Eu não lhe disse que, se você crer, você verá a revelação do poder glorioso de Deus?
     Então tiraram a pedra. Jesus olhou para o céu e disse: —Pai, eu te agradeço porque me ouviste.
     Eu sei que sempre me ouves; mas eu estou dizendo isso por causa de toda esta gente que está aqui, para que eles creiam que tu me enviaste.
     Depois de dizer isso, gritou: —Lázaro, venha para fora!
     E o morto saiu. Os seus pés e as suas mãos estavam enfaixados com tiras de pano, e o seu rosto estava enrolado com um pano. Então Jesus disse: —Desenrolem as faixas e deixem que ele vá.
     Muitas pessoas que tinham ido visitar Maria viram o que Jesus tinha feito e creram nele.

João 11.1-45

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

NÃO MORREU




     Enquanto Jesus estava falando ao povo, um chefe religioso chegou perto dele, ajoelhou-se e disse: —A minha filha morreu agora mesmo! Venha e ponha as mãos sobre ela para que viva de novo.
     Então Jesus foi com ele, e os seus discípulos também foram.
     Certa mulher, que fazia doze anos que estava com uma hemorragia, veio por trás de Jesus e tocou na barra da capa dele.
     Pois ela pensava assim: “Se eu apenas tocar na capa dele, ficarei curada.”
     Jesus virou, viu a mulher e disse: —Coragem, minha filha! Você sarou porque teve fé. E naquele momento a mulher ficou curada.
     Depois Jesus foi para a casa do chefe religioso. Quando viu os que tocavam música de enterro e viu a multidão numa confusão geral, disse: —Saiam todos daqui! A menina não morreu; ela está dormindo! Então começaram a caçoar dele.
     Logo que a multidão saiu, Jesus entrou no quarto em que a menina estava, pegou-a pela mão, e ela se levantou.
     E a notícia a respeito disso se espalhou por toda aquela região.

Mt 9.18-26
Mc 5.22-24; 35-43
Lc 8.41-42; 49-56

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

NÃO CHORE



       Jesus foi para uma cidade chamada Naim. Os seus discípulos e uma grande multidão foram com ele.
       Quando ele estava chegando perto do portão da cidade, ia saindo um enterro. O defunto era filho único de uma viúva, e muita gente da cidade ia com ela.
       Quando o Senhor a viu, ficou com muita pena dela e disse: —Não chore.
      Então ele chegou mais perto e tocou no caixão. E os que o estavam carregando pararam. Então Jesus disse: —Moço, eu ordeno a você: levante-se!
       O moço sentou-se no caixão e começou a falar, e Jesus o entregou à mãe.
      Todos ficaram com muito medo e louvavam a Deus, dizendo: —Que grande profeta apareceu entre nós! Deus veio salvar o seu povo!

Lucas 7.11-16