terça-feira, 9 de novembro de 2010

A IGREJA E SUA POSIÇÃO VITAL


“Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16:18)

A expressão mais alta da vontade de Deus nesta era é a igreja que Ele comprou com seu próprio sangue. Para ter valor conforme os princípios bíblicos, toda atividade religiosa precisa fazer parte da igreja.
Quero declarar incisivamente que Deus só aceita aqueles ser­viços que se concentram na igreja e têm nela sua origem. A. W. Tozer explica: Escolas dominicais, sociedades para distribuição de folhetos, comitês de ho­mens de negócios cristãos, e os muitos grupos independentes traba­lhando em uma ou outra fase da religião precisam fazer uma auto-analise com reverência e coragem, pois não possuem qualquer signi­ficado espiritual verdadeiro fora da igreja ou em separado dela”.
Segundo as Escrituras, a igreja é a habitação de Deus através do Espírito, e como tal o organismo mais importante debaixo do sol. Ela não é apenas mais uma instituição importante, juntamente com o lar, o Estado e a escola; mas a mais vital de todas as instituições — a única que pode alegar uma origem divina.
O cínico pode perguntar a que igreja nos referimos, e pode lem­brar-nos de que a igreja cristã acha-se tão dividida que seria impos­sível dizer qual a verdadeira, mesmo que esta exista. Não ficamos porém demasiado constrangidos com o sorriso disfarçado do zombador. Por estarmos dentro da igreja, provavelmente conhecemos as suas falhas melhor do que qualquer pessoa do lado de fora possa conhecê-las, e cremos nela mesmo assim, onde quer que se manifeste num mundo de trevas e incredulidade.
A igreja é encontrada sempre que o Espírito Santo reúna algu­mas pessoas que confiem em Cristo para a sua salvação, adorem a Deus em espírito e não tenham qualquer associação com o mundo e a carne.
Quem zomba da igreja zomba do Corpo de Cristo.
A igreja deve ser ainda levada em conta. 

Por 

Pr Gilmar Tavares Reis

A AUTORIDADE DE CRISTO.


“Porque em verdade vos digo que...” (Mateus 5:18a)

       Nos ensinos de Cristo nota-se a completa ausência de expressões como estas: "é minha opinião"; "pode ser"; "penso que..."; "bem podemos supor", etc. Um erudito judeu racionalista admitiu que ele falava com a autoridade do Deus Poderoso.
       O Dr. Henry Van Dyke assinala que no Sermão da Montanha, por exemplo, temos: a preponderante visão de um hebreu crente colocando-se a si mesmo acima da autoridade de sua própria fé; um humilde Mestre afirmando autoridade suprema sobre toda a conduta humana; um Reformador moral pondo de lado todos os demais fundamentos, dizendo: "Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha...” (Mat. 7:24).
        Quarenta e nove vezes, nesse breve registro do discurso de Jesus, repete-se a solene frase com a qual ele autentica a verdade: "Em verdade vos digo...".

Por

Pr Gilmar Tavares Reis

SE EXISTIR DÚVIDAS É IMPOSSÍVEL TER FÉ


“Enchei-vos do Espírito” (Efésios 5.18).

Que todo cristão pode e deve ser cheio do Espírito Santo dificilmente parece ser tema de um debate entre cristãos. No entanto, alguns argumentam que o Espírito Santo não é para simples cristãos, mas apenas para ministros e missionários. Outros sustentam que a porção do Espírito recebida na regeneração é idêntica àquela re­cebida pelos discípulos no Pentecostes e qual­quer esperança de uma plenitude adicional após a conversão simplesmente está baseada no erro. Alguns expressarão uma vaga espe­rança de que algum dia poderão ser cheios do Espírito, e ainda outros evitarão o assunto alegando que pouco sabem a respeito e que este tema só pode causar confusão.
Gostaria de afirmar com ousadia que te­nho a fé convicta de que todo cristão pode receber um derramamento abundante do Es­pírito Santo em uma porção muito além da­quela recebida na conversão, e também diria que esta seria muito além daquela desfrutada pela posição e lugar de destaque de alguns cristãos ortodoxos de hoje. É importante que entendamos bem esta verdade, pois enquan­to existirem dúvidas é impossível ter fé. Deus não surpreenderá um coração duvidoso com uma efusão do Espírito Santo, nem visitará alguém que tenha dúvidas doutrinárias sobre a possibilidade de ser cheio do Espírito.
Para cessar as dúvidas e criar uma ex­pectativa segura, recomendo um estudo re­verente da Palavra de Deus. A. W. Tozer asseverou: Estou pronto para basear minha conjectura nos ensinos do Novo Testamento. Se um exame cuida­doso e modesto das palavras de Cristo e de Seus apóstolos não levar à convicção de que podemos ser cheios do Espírito Santo neste momento, então não vejo razão para pes­quisas em outra fonte, uma vez que pouco importa o que este ou aquele educador reli­gioso disse a favor ou contra esta proposição”. Se a doutrina não é ensinada nas Escrituras, logo não pode ser sustentada por nenhum argumento, e todas as exortações a serem consideradas não têm valor.
Em suma, todo cristão pode receber um derramamento abundante do Espírito Santo.

Por

Pr Gilmar Tavares Reis

HIPOCRISIA E AUTO-ENGANO



“E ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Marcos 7:6)

Quanto desgosto a Igreja poderia ter evitado, se os cristãos tivessem perseverado naquilo que as Escrituras nos ensinam sobre uma verdadeira experiência de salvação! Jonathan Edwards comenta dizendo: “As Escrituras nos dizem para julgamos a nós mesmos e aos outros nesse assunto, principalmente pelo fruto da obediência cristã prática”. Se ao menos tivéssemos nos detido nisso, a hipocrisia e auto-engano seriam expostos de modo mais poderoso que qualquer outro meio.
Isso nos salvaria da confusão sem fim causada pelas teorias feitas pelo homem sobre o que deveríamos estar experimentando. Evitaria que os cristãos negligenciassem a santidade da vida. Encorajá-los-ia a mostrar seu cristianismo pela beleza de sua conduta e não pelo constante declarar de suas experiências. Amigos cristãos conversariam sobre suas experiências de modo mais modesto e humilde, procurando edificar e não impressionar uns aos outros. Muitas oportunidades de orgulho espiritual seriam extirpadas, para a frustração do diabo. Pessoas mundana, profanas parariam de rir ou caçoar do cristianismo e prestariam atenção a suas pretensões, quando vissem as vidas dos crentes.
E assim, a luz dos cristãos brilharia perante os homens e outros veriam suas boas obras e glorificariam a seu Pai nos céus!

Por 

Pr Gilmar Tavares Reis