segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

VALORES QUE DEVEM SER RESGATADOS NA PÓS-MODERNIDADE



“Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” (1 João 1:7 RA)

INTRODUÇÃO:

Paul Tournier, psiquiatra suíço, começou sua vida profissional como médico em Genebra. Sua preocupação com a medicina integral o levou à prática da psicoterapia. Escreveu vários livros, publicados em dezenove línguas.
No Brasil, temos: Culpa e Graça, Os Fortes e os Fracos, A Missão da Mulher, Para Melhor Compreender-se no Matrimônio e Mitos e Neuroses. Desse eu já li: A Missão da Mulher, Para Melhor Compreender-se no Matrimônio e Mitos e Neuroses.
E foi nesse livro: Mitos e Neuroses, que estudei sobre as complexidades de cada período, já na era Cristã. Do ano um ao final do V século, tivemos o final da Idade Antiga.
Do V século ao XV, tivemos a Idade Media (Idade Medieval); do XV século ao XVIII, tivemos a Idade Moderna; e desde o XVIII até agora no século XXI, que estamos vivendo a contemporaneidade que é chamada, devido as suas grandes complexidades e desafios, de Pós-Modernidade.

Na Pós-Modernidade fala-se com muito mais ênfase sobre os desafios do:
a)            Politeísmo – sistema ou crença religiosa que admite mais de um deus;
b)           Hedonismo sexual – dedicação ao prazer pelo prazer como estilo de vida;
i.                    Incesto – relação sexual entre parentes;
ii.                  Adultério – relação sexual de uma pessoa casada fora do casamento;
iii.                Fornicação – relação sexual de pessoas solteiras;
iv.                 Homossexualismo – relação sexual entre pessoas do mesmo sexo;
v.                   Bestialismo – relação sexual com animais;
vi.                 Prostituição – atividade institucionalizada que visa ganhar dinheiro com a cobrança por atos sexuais e a exploração de prostitutas;
vii.               Pedofilia – prática efetiva de atos sexuais com crianças (p.ex., estimulação genital, carícias sensuais, coito etc.);
viii.             Sadismo - perversão caracterizada pela obtenção de prazer sexual com a humilhação ou sofrimento físico de outrem;
ix.                 Masoquismo - perversão caracterizada pela obtenção de prazer sexual a partir de sofrimento ou humilhação a que o próprio indivíduo se submete;
x.                   Sadomasoquismo - perversão sexual que resulta da combinação de sadismo e masoquismo;
xi.                 Necrofilia – uso de cadáver como objeto sexual;
xii.               Voyeurismo – prazer em olhar senas eróticas, ou conversar sobre elas, cenas essas relacionadas com roupas íntimas, órgãos genitais, que em suma causam sensualidade (pessoas trocando de roupa, conversações sensuais, disque-sexo etc.);
xiii.              Fetichismo – desvio do interesse sexual para algumas partes do corpo do parceiro, para alguma função fisiológica ou para peças de vestuário, adorno etc.

c)            Pragmatismo – estilo de vida que não está nem ai para com o que é certo, mas para com o que dá certo.
d)           Relativismo - doutrina segundo a qual os valores morais não apresentam validade universal e absoluta, diversificando-se ao sabor de circunstâncias históricas, políticas e culturais.

E foi pensando sobre as complexidades de nosso século que quero falar sobre:

VALORES QUE DEVEM SER RESGATADOS NA PÓS-MODERNIDADE

O primeiro desafio do cristãos é...
I. O ANDAR COM CRISTO.
Int.: Andar vem do grego – peripatew (peripateo) e não fala simplesmente em dar passos, caminhar, mover-se, deslocar-se. peripatew (peripateo) fala de portar-se com decência; ter procedimento aprovado; comportar-se como cristão; ser conduzido ou transportado pelo Espírito Santo.
Todos os cristãos devem andar na luz, neles não devem existir trevas, pelo contrario, devem desempenhar o papel de luz do mundo. Quando isto acontece é porque o cristão está tendo comunhão com Deus, pois Deus é a luz maior que fornece luz para que nós venhamos ser extensão de seus raios aqui na Terra.

“Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: andai como filhos da luz.” (Efésios 5:8 DO)

O segundo desafio do cristãos é...
II. A VIDA DE COMUNHÃO.
Int.: Comunhão vem do grego – koinwnia (koinonia) que significa sintonia de sentimentos, de modo de pensar, agir ou sentir; identificação; harmonia; intimidade.
Nas palavras do Rv. Hernandes Dias Lopes: “Intimidade com Deus é viver com Deus. É viver em Deus e Deus em nós. É viver para Deus. É abeberar-se de Deus. É mergulhar no inesgotável oceano da comunhão com Deus”.

“Devemos amar a Deus com todo o nosso coração, com toda a nossa mente e com todas as nossas forças e também devemos amar os outros como amamos a nós mesmos...” (Marcos 12:33 NTLH)

“Se alguém diz: “Eu amo a Deus”, mas odeia o seu irmão, é mentiroso. Pois ninguém pode amar a Deus, a quem não vê, se não amar o seu irmão, a quem vê.” (1 João 4:20 NTLH)

O terceiro e último desafio do cristãos é...
III. A PURIFICAÇÃO PELO SANGUE.
Int.: Purificar vem do grego – kayarizw (katharizo) que significa tornar limpo de mancha ou sujeira, remover pela limpeza, livrar da contaminação do pecado e das culpas, purificar de iniqüidade, livrar da culpa de pecado, purificar.

“Porque é de dentro, do coração, que vêm os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas conseqüências. Tudo isso vem de dentro e faz com que as pessoas fiquem impuras.” (Marcos 7:21-23 NTLH)

O verbo purificar sugere que Deus faz mais que perdoar. Ele apaga a mancha do pecado e o tempo presente do verbo nos remete a uma ação continua, ou seja, Ele sempre nos purifica, deixando-nos limpos. Basta resgatarmos esse valor e crer piamente na ação divina sobre o coração arrependido (Tg 5.16).

Por

Pr. Gilmar Tavares Reis

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

SAL REFINADO


A Enciclopédia Microsoft Encarta define o sal “como composto mineral e químico, cuja denominação correta é cloreto de sódio”. O sal é usado na cozinha como conservante, para temperar alimentos e melhorar seu sabor, porém, muito barato. Acredita-se que representações políticas devem possuir características tais quais as do sal, na conservação da ética, no tempero dos projetos e no sabor dos resultados de seu governo.
Se os políticos conservarem-se dentro da ética e se manterem fora dos “esquemas”, priorizando a formação de uma liderança política forte e saudável, eles serão a esperança de mudança futura da nação. Caso contrário, haverá uma aceleração do que já é ruim, dentro de certo tempo, os corpos deles mesmos e do povo começarão a se deteriorarem, começando pela moral do indivíduo chegando até a sociedade, isso tudo por falta de sal.
O cloreto de sódio também serve para temperar o alimento e no sentido que aqui é dado, toa no equilíbrio dos projetos. Nada de construir um jardim suspenso no centro da cidade, nem uniformizar o cidadão com cores partidárias, ou fiscalizar o controle de natalidade dos coelhos e, muito menos, bancar os palhaços na frente do circo. Não obstante, que haja projetos inovadores, audaciosos que visem o crescer e o desenvolver dos cidadãos comuns, anônimos, mas que são dignos de uma vida melhor.
Que gosto bom é o do dever cumprido! Valorização dos profissionais, laboratórios de informática, ensino profissional na rede pública, escola técnica rural, escolas de tempo integral, ambiente propício para os bem-dotados de inteligência ou de aptidões especiais acima da média, tudo isso funcionando a contento. É verdade que leva anos, no entanto, “nunca é tarde para começar”, diz a sabedoria popular.
Tudo isso é fruto de uma mente esperançosa na ação do sal sobre a sociedade, diferente de Lenin que asseverava“Idéias são mais letais que armas”. Na verdade idéias sem a conservação da ética, do tempero dos projetos e, do sabor dos resultados, para o povo se alegrar com o governo do justo, o resultado é funesto.

Por

Pr. Gilmar Tavares Reis

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

PERFECCIONISMO: ELE NÃO PODE ERRAR

Ao ser feita uma pesquisa no site de busca sobre o tema em questão, perfeccionismo, foram encontrados, em 0,19 segundo, aproximadamente 164.000 resultados relacionados.
O que chamou atenção foi que, na grande maioria das vezes, indicando o aspecto negativo do auto-perfeccionismo. Por exemplo:

“É descrito que existem dois tipos de perfeccionsimo: o "normal" (quando a pessoa se esforça para fazer algo bem feito, segundo alguns, isso nem pode ser considerado perfeccionsimo; e o neurótico, quando a pessoa tem um comportamento compulsivo excessivo de esforço, chegando níveis monumentais e inúmeras quantidades de repetições da mesma atividade”.

“Médicos alertam para os perigos do perfeccionismo. Levar tudo muito a sério acarreta perigosos riscos psicológicos. Especialistas recomendam que perfeccionistas relaxem para ver que o mundo não acaba”.

Como Controlar o PerfeccionismoO desejo de ser melhor normalmente é uma boa coisa, mas quando entramos no perfeccionismo isto pode causar muitos problemas, lhe cansar e desperdiçar muito tempo. O ideal é encontrar um equilíbrio”.

E quando a ênfase é para que o outro seja perfeccionista? “Ele não pode errar”, disparam. Observando o contexto onde há pessoas, percebe-se que isso é mais frequente do que se imagina.
A tônica para que o outro seja perfeccionista é quase interminável. “Tenha cuidado com a imoralidade sexual, a impureza, as ações indecentes, a adoração de ídolos, as feitiçarias, as inimizades, as brigas, as ciumeiras, os acessos de raiva, a ambição egoísta, a desunião, as divisões, as invejas, as bebedeiras”, asseveram.
Na verdade, se as pessoas evitarem essas mazelas, só têm a ganhar. O problema é ainda maior  quando o perfeccionismo não serve para si mesmo, todavia, atinge aos que estão ao redor. “Ele é que precisa ter amor, alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade e domínio próprio”, asseguram.
É preciso lembrar que a conversão dos eventos negativos e a prática das coisas positivas são para todos. Essas indicações têm um corte profundo nas duas direções, ou seja, serve para ambas as partes (Hebreus 4:12 RC).
Que haja libertação do perfeccionismo, principalmente o religioso. Que se tenha mais misericórdia e compaixão. Ninguém deve ficar errando, mas, é imprescindível a consciência de que o humano não é perfeito e foi justamente aí que Cristo entrou no cenário da vida, para apresentar a preciosa GRAÇA.

Por

Pr. Gilmar Tavares Reis

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

PLURALISMO RELIGIOSO: QUAL O CAMINHO?



“Pluralismo religioso consiste num sistema de crenças que admite a coexistência de uma diversidade de pensamentos, valores e convicções considerados, principalmente, produtos da família do indivíduo, de sua cultura e sociedade” (NORMAN GEISLER).

 O objetivo deste texto não é falar do Judaísmo, Hinduísmo, Tailamísmo, Islamismo, Budismo ou de outras grandes religiões; nem estabelecer um tratado filosófico sobre o título em questão. Com efeito, temos alguns dilemas sobre a vida, como estes:


1. Deus existe?
2. O que é a verdade?
3. Por que estamos aqui?
4. O que é o mal e por que ele existe se há um Deus amoroso?
5. O que dá sentido à vida?

Segundo o pluralismo, as respostas a essas perguntas dependem de como se vê o mundo. Uma vez que essa espécie de verdade é relativa e de foro pessoal, ninguém deve crer que há apenas um modo de enxergar o mundo.
A problemática toda é que o pluralismo sugere que o homem é o detentor de todas as respostas e solucionador de aglomeradas questões humanas, inclusive a de escolher o alvo de seu culto.
Só que os fatos revelam que essa suposta capacidade de decidir do homem, tem o levado por um caminho de destruição sem volta. O estopim da banana de dinamite já foi aceso e agora a contagem regressiva só aumenta de velocidade.
A ciência tão necessária, progressista, discutida, ensinada e desejada por muitos, não consegue resolver e nem minimizar o caos dos reinos humano, mineral, vegetal e animal.
O que se fala é de crimes hediondos, governos corruptos, impostos intermináveis, famílias pobres cada vez mais empobrecidas, extinção dos animais responsáveis pelo equilíbrio do ecossistema, destruição das matas ciliares, doenças incuráveis.
Foi criado até a palavra guerra para legitimar a matança coletiva e inventado uma série enorme de tipos de guerras:guerra atômica, guerra biológica, guerra civil, guerra convencional, guerra de extermínio, guerra econômica, guerra fria, guerra global, guerra psicológica, guerra química, guerra revolucionária, guerra relâmpago, guerra total e até guerra santa” (Ultimato, edição 260).
Com respeito aos seguidores das demais religiões ou os adeptos do pluralismo, devo apresentar a ótica do cristianismo. Diferentemente das demais religiões, que é um esforço do homem para com um sagrado, o cristianismo é uma expressão de Deus para com o homem através de Jesus Cristo.
Karl Barth e Dietrich Bonhoeffer, teólogos do início do século XX “concordam que o cristianismo não é mera procura introspectiva de soluções para os problemas que nos afligem nem algo que se pareça com uma fuga para algum domínio reservado ao que seja sagrado” (William E. Hordern).
Falar sobre o cristianismo é apresentar o Reino de Deus. Qual é a mensagem do Reino de Deus? Essa expressão encerra a essência dos ensinamentos de Jesus. Simon Kistemaker comentou que “o Reino é o governo de Deus sobre os corações e vidas do seu povo que, como cidadãos desse Reino, recebem remissão de pecados e vida eterna”.

“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20 RC)

Por

Pr. Gilmar Tavares Reis